“Quando regressarmos à normalidade, o calçado português vai estar na linha da frente”

O Felgueiras Magazine entrevistou Paulo Gonçalves, porta-voz da APICCAPS, que nos falou do atual momento do setor do calçado e perspetivou, dentro do possível, o seu futuro.
Paulo Gonçalves, Porta-voz da APICCAPS

A Covid-19 afetou fortemente a indústria do calçado. São muitas as empresas do setor em layoff; muitas recorreram às linhas de crédito, aumentando o seu endividamento. Os empresários confrontam-se com cancelamentos de encomendas e dilatações nos prazos de pagamento. O futuro é incerto, e a incerteza é uma das principais inimigas dos negócios.

O Felgueiras Magazine entrevistou Paulo Gonçalves, porta-voz da APICCAPS, que nos falou do atual momento do setor do calçado e perspetivou o seu futuro.

Felgueiras Magazine (FM) – De que forma tem a APICCAPS apoiado os seus associados neste período de pandemia?

Paulo Gonçalves (PG) – A ação da APICCAPS quer na defesa, quer na promoção, dos setores que representa e do universo dos seus associados é permanente e não se esgota neste momento de exceção em que vivemos.

Importa, em todo o caso, realçar que muito do trabalho que desenvolvemos não é visível, pela simples circunstância que ocorre precisamente na privacidade dos gabinetes. Como aliás, tem de ser.

Muitos dos problemas que enfrentamos são comuns a outros setores de atividade e, em particular, ao setor industrial português. Ora, as nossas posições têm estado, sempre, em consonância com a CIP. Como é público, o Presidente da APICCAPS, Luís Onofre, desempenha as funções de Vice-Presidente do Conselho Geral da CIP. Todas as propostas da CIP têm sido defendidas e subscritas pela APICCAPS na defesa das suas empresas. E permitam-me que o diga: a CIP tem estado exemplar ao longo deste processo.

A nível europeu – o Presidente da APICCAPS é igualmente Presidente da Confederação Europeia (CEC). Temos conversado regularmente com os nossos colegas europeus, para que possamos, em conjunto, articular posições comuns em prol da nossa indústria.

São públicas, porque a APICCAPS as partilhou com os seus associados, as propostas que fizemos em conjunto com a ANIVEC, a Associação Portuguesa de Vestuário, ao Governo, ainda em dezembro passado. O lay-off simplificado, as moratórias ou a criação de uma linha de crédito específica para os nossos setores foram algumas dessas propostas. Nas últimas semanas temos estado particularmente ativos, conversando regularmente com a COSEC e com o Governo para encontrar uma boa solução em matéria de seguros de créditos. Acredito que o vamos seguir. Propusemos, igualmente, outras medidas de cariz mais estrutural que, pela sua natureza, demorarão mais algum tempo a serem concretizadas.

No plano mais interno, a APICCAPS criou um Gabinete da Crise, que está em permanente contacto com os seus associados.  A título de exemplo, julgo que é justo reconhecer que departamento jurídico da APICCAPS tem estado verdadeiramente incansável no aconselhamento das empresas.

As medidas do Governo são “muito relevantes e vão ao encontro das necessidades empresas”.

(FM) – Os apoios do Governo às empresas para fazer face à pandemia corresponderam às expectativas e necessidades do setor do calçado?

(PG) – O Governo lançou um conjunto de medidas que, analisadas em conjunto, nos parecem muito relevantes e vão ao encontro das necessidades das empresas. Naturalmente, que todos desejamos que tudo fosse mais célere – até porque muitas das medidas necessitam da aprovação de Bruxelas – mas não podemos ignorar a dimensão e a complexidade do momento que vivemos. O Governo português tem estado bem melhor do que a Europa e as suas instituições na resposta a esta pandemia.

 

(FM) – Há empresários do calçado que se queixam da dilatação dos prazos de pagamento por parte dos seus clientes. É algo que preocupa o setor?

(PG) – Naturalmente. Sabemos que vivemos um momento de exceção das nossas vidas, mas precisamos rapidamente de restabelecer a confiança e promover um regresso à normalidade.

 

(FM) – Agora que os principais mercados europeus voltaram a abrir a economia, e apesar de toda a incerteza, quais são as expectativas do setor do calçado para os próximos meses?

(PG) – Serão meses duros, seguramente, na medida em que as previsões económicas para este ano são todas profundamente frustrantes.

Os dados que dispomos serão que o consumo mundial este ano deverá recuar mais de 22% (dados do World Footwear). Na Europa, o impacto será ainda maior. O futuro do setor estará sempre associado à duração da pandemia.

Reitero o que disse anteriormente: é essencial incentivar a confiança e reestabelecer a atividade económica.

“As empresas de calçado têm feito um esforço considerável para se reinventarem”

(FM) – Com as medidas de distanciamento social, restrições às viagens, provável cancelamento das feiras de calçado, como é que a APICCAPS está a projetar a promoção da “Indústria mais sexy da Europa”? Vai ter que ser uma indústria ainda mais “sexy”?

(PG) – Estamos a ultimar várias iniciativas. Vamos ter de ser ainda mais criativos. Não iremos seguramente abrandar na promoção das nossas empresas. Quando regressarmos à normalidade, o calçado português vai estar na linha da frente, porque tem empresas capazes, que aliam a tradição e o saber-fazer acumulado ao longo de gerações, a uma capacidade técnica e tecnológica ímpar.

 

(FM) – Os fundos comunitários deverão ser repensados e reajustados para fazer face à nova realidade trazida pela Covid-19?

(PG) – Julgo que isso já estará a acontecer. Nas conversas que vamos mantendo de forma regular com o Governo, temos insistido nessa tecla.

 

(FM) – É importante, nesta fase, mais apoios ao investimento na promoção do nosso calçado através de formas digitais? As nossas empresas do setor do calçado estão preparadas para a presença online e marketing digital?

(PG) – As empresas de calçado têm feito um esforço considerável para se reinventarem. A promoção das marcas e do comércio online é uma das áreas que mais têm investido no passado recente. E têm, aliás, contado com o apoio da APICCAPS (projeto “Valorização da Oferta”) através do programa Compete 2020, para isso. Considero, porém, que vamos todos ter de ser capazes de fazer mais e melhor. 

 

(FM) – A indústria do calçado vai ter condições para acomodar aumentos no salário mínimo no próximo ano, sem que haja fortes contrapartidas?

(PG) – Essa é uma questão importante. É conhecida a opinião na APICCAPS relativamente a este assunto. O aumento dos salários deve estar sempre em linha com os aumentos da produtividade. De outro modo, colocamos em causa a competitividade das nossas empresas e de milhares de postos de trabalho.

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Recomendado Para si

felgueiras magazine Logo

Pub

WEBSITES A PARTIR DE 25€ POR MÊS!

Se a sua empresa não está no Google, está a perder clientes todos os dias.

Venha Falar Connosco. O café é por nossa conta!

Contacte já a Login e aproveite esta promoção!

Envolva-se com o Felgueiras Magazine

1111

Subscreva a nossa Newsletter​

Receba semanalmente no seu endereço de e-mail as últimas notícias de Felgueiras e da região.

2222

Partilhe as suas ideias, dicas ou opiniões…

Ajude-nos a fazer um trabalho cada vez melhor!

33

Colabore com o Felgueiras Magazine

Gosta de escrever, ou de fotografia ou de vídeo...

44

Anuncie no Felgueiras Magazine

Para além de promover a sua empresa, ajuda este projeto, feito por felgueirenses para Felgueiras!