O Brexit e as empresas

brexit
Autor: Paulo Alcarva

Autor: Paulo Alcarva

Consultor de empresas e Professor de Finanças | palcarva@gmail.com

O Brexit está cada vez mais próximo de ser um “hard Brexit”. Em vésperas do Conselho Europeu decisivo o acordo entre o Reino Unido e a União Europeia parece praticamente impossível, perante o impasse chamado Irlanda do Norte e a exigência da UE em querer mantê-la na união aduaneira do bloco comunitário. O prazo fixado para o Brexit, recorde-se, é no próximo dia 31 de Outubro.

A generalidade dos estudos efectuados sobre o impacto económico do Brexit coloca Portugal numa primeira linha de países potencialmente mais afectados, quer pela sua exposição ao Reino Unido, na medida em que é um dos países para quem o mercado do Reino Unido tem maior relevância, quer por ser um dos mais afetados pela incerteza gerada pelo processo (considera-se que a incerteza causada pelo Brexit terá maior impacto em economias com um maior gap negativo entre o seu output real e potencial, encontrando-se nesta situação Portugal, que em 2015, apresentava um gap estimado no PIB de -3,1% em relação ao potencial), quer ainda por ser um dos países potencialmente mais afetados pela diminuição das contribuições do Reino Unido para o orçamento da UE.

E os valores estimados para esses impactos negativos não são nada despeciendos. Em termos globais, estimam-se reduções nas exportações portuguesas para o Reino Unido entre -1,1% e -4,5%, reduções de fluxos de investimento direto estrangeiro (IDE) dirigidos a Portugal entre -0.5% e -1,9% e reduções de remessas de emigrantes entre -0,8% a -3,2%. A médio-longo prazo, a alteração do quadro de relacionamento entre o RU e a UE encerra um risco forte para as exportações de bens e serviços portuguesas, que pode resultar em reduções potenciais das exportações globais entre cerca de 15% e 26%, dependendo do tipo de relacionamento comercial futuro que vier a ser estabelecido.

Mesmo considerando que as magnitudes destes efeitos devem ser lidas com cautela, resulta claro um sinal de que os efeitos podem ser muito significativos, tendo em conta que o Reino Unido é o 4º mercado de destino das exportações portuguesas de bens (um total de exportações de mais de 3.917 milhões de dólares, o equivalente a 7,0% dos fluxos totais – a seguir a Espanha (26,2%), França (12,6%) e Alemanha (11,6%)) e o  primeiro das exportações de serviços (transações na ordem dos 4.404 milhões de dólares, 15% do fluxos totais,  e um crescimento médio anual desde 2010, de 5,1% ao ano).

 

Calçado e têxtil na mira

Em termos de produtos, são identificados como produtos com maior grau de risco associado ao Brexit os produtos informáticos, eletrónicos e ópticos, equipamento eléctrico e veículos automóveis. Mas, num segundo nível e risco ainda médio alto, aparecem os têxteis e o calçado tão representativos da região de Felgueiras.

Note-se que o têxtil (vestuário e lar) representou em 2017 um total de 421 milhões de euros de exportações (12% do total das exportações de bens para o Reino Unido) e o calçado 140 milhões de euros (4% do total).

O calçado e o têxtil são produtos para os quais o efeito de desconstrução associado ao Brexit e ao novo quadro de relacionamento do Reino Unido com as diversas economias pode-se traduzir na capacidade de outros países fora da UE ganharem quotas de mercado em termos relativos no Reino Unido em detrimento das exportações portuguesas. Deste modo, não é por acaso que, em termos de impactos regionais, as regiões que face à sua especialização produtiva enfrentam maiores riscos decorrentes do Brexit ao nível dos bens são o Alto Minho, Cávado, Ave e Tâmega e Sousa.

O Brexit será sempre, no curto-médio prazo, um processo de perdas assimétricas para o Reino Unido e para a UE (um jogo “loose/loose”) agravado pela sua própria natureza objetiva de complexo, aberto e alargado processo negocial, neste mesmo horizonte temporal, conduzindo a aumento significativo do nível de incerteza que parece ter vindo a ser descontado pelos mercados e pelos agentes económicos em geral. Mas dito isto, existem sectores e regiões mais vulneráveis, onde se encontra o Tâmega e Sousa.

 

Linha de crédito para os “lesados” do Brexit

Perante este cenário cheio de grandes incógnitas, mas com a certeza de que o impacto será sempre negativo, importa agir já para minimizar as perturbações. Até porque, sem o entendimento necessário, não haverá um período de transição como o previsto no acordo de saída, o que causará obviamente perturbações significativas para as empresas.

Entre as medidas para ajudar os cidadãos, as empresas e outras partes interessadas, sobre como proceder no caso de uma saída do Reino Unido da UE sem acordo, a Comissão Europeia aconselha o uso do Centro de Informação Europe Direct, que poderá ser contactado de qualquer local na UE, através do número gratuito 00 800 6 7 8 9 10 11.

Por sua vez, no âmbito do plano de contingência do governo nacional, está ainda disponível a Linha de Crédito de Apoio às Empresas com Exposição ao Brexit, com uma dotação global de 50 milhões de euros destinada a colmatar as falhas de mercado identificadas nas operações de financiamento a realizar por empresas que estejam a desenvolver uma estratégia para minorar o efeito negativo do Brexit, e que tenham trocas comerciais com o Reino Unido (com um valor superior a 15% do seu volume de negócios). Esta linha foi criada no âmbito da Linha de Crédito Capitalizar 2018.

O montante máximo de financiamento por empresa ascende a um milhão de euros e destina-se ao reforço de fundo de maneio ou investimento (activos produtivos, I&D&I, obtenção ou compra de marcas e patentes, e aquisição de empresas). Para o plafond de fundo maneio o prazo ascende a 5 anos em linhas de “revolving” (conta-corrente, factoring/confirming), com garantia mútua até 75% do capital em dívida em cada momento do tempo, sendo a comissão integralmente bonificada. No caso do financiamento de investimento prazo é o dobro e conta com a mesma garantia mútua.

Em conclusão, prepare-se diversificando ainda mais os seus mercados-alvo, esteja atento a ecentuais oportunidades de negócio que surgem sempre em momentos de indefinição, e aproveite as condições especiais de financiamento que o estatuto de empresa exportadora para o Reino Unido garante. Haja de minimis.

 

Por opção do autor, este texto não foi escrito ao abrigo do Acordo Ortográfico.

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Recomendado Para si

felgueiras magazine Logo

Pub

WEBSITES A PARTIR DE 25€ POR MÊS!

Se a sua empresa não está no Google, está a perder clientes todos os dias.

Contacte já a Login e aproveite esta promoção!

Envolva-se com o Felgueiras Magazine

1111

Subscreva a nossa Newsletter​

Receba semanalmente no seu endereço de e-mail as últimas notícias de Felgueiras e da região.

2222

Partilhe as suas ideias, dicas ou opiniões…

Ajude-nos a fazer um trabalho cada vez melhor!

33

Colabore com o Felgueiras Magazine

Gosta de escrever, ou de fotografia ou de vídeo...

44

Anuncie no Felgueiras Magazine

Para além de promover a sua empresa, ajuda este projeto, feito por felgueirenses para Felgueiras!

SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER

Receba semanalmente no seu endereço de e-mail as últimas notícias de Felgueiras e da região.