Aumento do salário mínimo preocupa indústria do calçado em Felgueiras. “A situação está no limite”.

As margens atuais já são extremamente reduzidas. Nível de produtividade no setor do calçado não é suficiente para acompanhar estes aumentos salariais. Muitas fábricas de calçado poderão encerrar.
Calçado em Felgueiras
Autor: Pedro Fonseca

Autor: Pedro Fonseca

Mestre em Economia | Diretor do Felgueiras Magazine

O diploma que oficializa a subida do salário mínimo para 635€ foi publicado na semana passada em Diário da República. O Governo pretende que o salário mínimo alcance os 750 euros em 2023.

Este aumento está a causar preocupação no setor do calçado. Estima-se que cerca de 45% dos funcionários da indústria de calçado em Felgueiras auferem o salário mínimo e que quase metade têm, neste momento, um vencimento inferior a 635€. A este aumento do salário mínimo há que juntar o acréscimo de despesas que as empresas vão ter com a Taxa Social Única (TSU), bem como no seguro de acidentes de trabalho que é, normalmente, indexado ao salário dos funcionários. Contas feitas, e para uma empresa de calçado que tenha 100 colaboradores, este aumento do salário mínimo traduz-se num aumento dos custos a rondar os 62.000 euros anuais.

Empresários da indústria do calçado ouvidos pelo Felgueiras Magazine mostram-se preocupados com esta situação e com o impacto do aumento do salário mínimo no preço do produto final. Referem que as margens atuais já são extremamente reduzidas e será muito difícil acomodar este aumento salarial.

Os empresários reconhecem que os salários na indústria de calçado são baixos, e que é extremamente difícil para uma família gerir as suas despesas auferindo o salário mínimo atual. Contudo, o nível de produtividade no setor do calçado não é o suficiente para acompanhar estes aumentos salariais. “A situação está no limite”, confidenciou um empresário ao Felgueiras Magazine. Se nada for feito, a indústria de calçado vai perder competitividade com este aumento salarial, o que poderá levar ao encerramento de muitas fábricas de calçado. O governo precisa de apoiar e incentivar a competitividade da nossa indústria.

Salários no calçado vão crescer pouco nos próximos anos

Face a estas dificuldades, a expectativa é que, com exceção do salário mínimo, os aumentos salariais no setor do calçado sejam muito reduzidos. Haverá uma tendência cada vez maior para que o salário mediano fique extremamente próximo do salário mínimo. Trabalhadores recém-chegados a uma empresa e sem qualquer experiência profissional anterior, auferindo o salário mínimo, terão níveis salariais muito semelhantes a trabalhadores com mais antiguidade nas empresas e mais produtivos. Haverá, por isso, uma situação de sentimento de injustiça ao nível salarial que os gestores das empresas terão que enfrentar e solucionar, pois caso contrário poderá ter efeitos nefastos na produtividade da empresa.

APICCAPS está preocupada e aponta soluções

A Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes, Artigos de Pele e seus Sucedâneos (APICCAPS) esteve, recentemente reunida com António Saraiva, Presidente da CIP – Confederação da Indústria Portuguesa, e mostrou a preocupações do setor, alertando para o risco de falências.

Luís Onofre, presidente da APICCAPS, tem declarado que não se opõe ao aumento dos salários, desde que se verifique também um aumento da competitividade das empresas. E aponta soluções: uma redução do preço da energia e apoios ao investimento em energias renováveis.

Estima-se que, na indústria de calçado, entre 4% a 6% do custo final do produto seja imputável aos custos com a energia (elétrica, combustíveis), pelo que uma redução desta despesa poderá ter um impacto positivo na competitividade da indústria do calçado e, eventualmente, ajudar a acomodar o aumento do salário mínimo.

O Felgueiras Magazine tentou também obter uma reação da Associação Empresarial de Felgueiras, mas até ao momento não obtivemos resposta.

Exportações de calçado estão em queda

Depois de 8 anos consecutivos a crescer, as exportações caíram, em 2018, 2,65%, para 1904 milhões de euros. É previsível que o ano de 2019 também não seja favorável ao setor: as exportações de calçado das empresas do concelho de Felgueiras registaram uma queda de 7,13% no acumulado dos 7 primeiros meses.

O número de encomendas, volume de negócios e exportações das empresas felgueirenses do setor do calçado tem vindo a baixar. A conjuntura internacional está a fazer a vida difícil à indústria de calçado de Felgueiras. A economia alemã está a abrandar e encontra-se cada vez mais perto da recessão, afetando toda a economia europeia. Por outro lado, assistimos a uma “guerra” comercial entre os Estados Unidos de Donald Trump e a China – Pequim continua a desvalorizar a sua moeda (Yuan) o que torna a produção, por exemplo, de calçado ou têxteis ainda mais competitiva para quem paga em euros ou em dólares. Também a concorrência, no setor do calçado de países como a Turquia está a afetar a nossa indústria. Não menos importante é a diminuição de peso do calçado de couro no mercado mundial.

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Recomendado Para si

felgueiras magazine Logo

Pub

WEBSITES A PARTIR DE 25€ POR MÊS!

Se a sua empresa não está no Google, está a perder clientes todos os dias.

Contacte já a Login e aproveite esta promoção!

Envolva-se com o Felgueiras Magazine

1111

Subscreva a nossa Newsletter​

Receba semanalmente no seu endereço de e-mail as últimas notícias de Felgueiras e da região.

2222

Partilhe as suas ideias, dicas ou opiniões…

Ajude-nos a fazer um trabalho cada vez melhor!

33

Colabore com o Felgueiras Magazine

Gosta de escrever, ou de fotografia ou de vídeo...

44

Anuncie no Felgueiras Magazine

Para além de promover a sua empresa, ajuda este projeto, feito por felgueirenses para Felgueiras!

SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER

Receba semanalmente no seu endereço de e-mail as últimas notícias de Felgueiras e da região.